Google+ Badge

segunda-feira, 27 de março de 2017

CONCEITOS

1- TRUSTES- Grupos financeiros poderosos (grandes empresas) que acumularam grande quantidade de riqueza em todas as fases do capitalismo.
Subdividem-se em dois tipos:


a) Trustes Horizontais- eliminam seus concorrentes mais fracos, do mesmo ramo de produção no mercado e quando ocorre tal situação ele está praticando um MONOPÓLIO.
b) Trustes Verticais- empresas que atuam em todo processo de produção. Desde a extração da matéria prima até o produto final – Ex. Petrobrás: Quando explora petróleo no subsolo, age no setor primário da economia (extrativista) COMODITIE.
Quando refina e utiliza nos polos petroquímicos para produzir: borracha, plástico, poliéster, insumos agrícolas; agrega maior valor agindo no setor secundário da economia.
Quando transporta e comercializa age no setor terciário da economia.

2- CARTEL
Trata-se de uma aliança, acordos entre vários Trustes que produzem o mesmo produto. O acordo serve para determinar o preço do produto e dividir o mercado entre eles – OLIGOPÓLIOS- Essa pratica é considerada crime na economia. Já que o preço do produto deve ser determinado pela lei da oferta e da procura. Mesmo assim existe – OPEP.

3- CONGLOMERADOS
São constituídos por muitas empresas cujos produtos são os mais variados possíveis. Neste caso a empresa com maior capital adquiriu as demais.
Finalidade – dominar a oferta de vários produtos e serviços. Ex. Mitsubishi- fábricas automóveis, televisores e canetas.

4- HOLDING

O Grupo Pão de Açúcar (que opera lojas sob as bandeiras Pão de Açúcar, Casas Bahia, Extra Hipermercados e Ponto Frio) é um exemplo de holding.
Considerado o estágio mais avançado do capitalismo.
A empresa mais forte, que reúne o maior número de ações e capitais dentro de um conglomerado, assume a função de Holding, ou seja, administra as demais financeiramente e determinando a politica de produção.


MODOS DE PRODUÇÃO EMPRESAS.

1- Artesanato- 1ª etapa da transformação da matéria prima. Mão de obra: um indivíduo e um ajudante (sem divisão do trabalho).
2-Manufatura- Estágio intermediário entre o artesanato e a maquinofatura. Uso de máquinas simples e novas ferramentas. Cooperação avançada (manufatura): o trabalhador até continuava a ser artesão, mas não fazia tudo, do começo ao fim. A produção começa a ser feita através de uma linha de montagem. o produto tornou-se resultado de muitos trabalhadores.
3- 1ª Revolução Industrial (séculos XVII e XIX)
Sistema fabril em alta
Máquinas mais sofisticadas, movidas a vapor. Ex. Tear a vapor
Pré Fordismo- divisão do trabalho na linha de produção.
4- 2ª Revolução Industrial – Sec. XIX 1.860

Mudanças-Modernização             Novas Máquinas
                                                           Novas Fontes de Energia
      Novos tipos de indústrias: Siderúrgicas, Metalúrgicas,                                Automobilísticas.

Modo de produção- TAYLORISMO- Organização Cientifica do Trabalho.
Taylor idealizou um método para organizar a atividade laboral que tem por base a especialização dos trabalhadores, o controlo do tempo destinado a cada atividade e a divisão de tarefas.
5- 1.930 FORDISMO-TAYLORISMO, Aperfeiçoamento da Teoria de Taylor – produção em série (sistema rígido, engessado).

6- 3ª Revolução Industrial- Pós 2ª Guerra

1.946- Invenção do computador- Surgimento das indústrias inteligentes- Ex Informática.

a)  Sistema de Produção TOYOTISMO- linha de montagem operada por robôs, o trabalhador precisa ser qualificado e polivalente.
b)Principal característica do toyotismo JUST IN TIME- finalidade evitar desperdícios. Estoques calculados conforme demanda. Esse novo sistema e mais flexível que o fordismo
Todas essas mudanças têm por finalidade reduzir o custo da produção.

SURGEM NOVAS ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO DE CUSTOS.

1- TERCEIRIZAÇÃO – Consiste em contratar outras empresas para fabricas produtos ou fornecer serviços;
a) Fornecer serviços- terceirização da atividade MEIO.
b) Fabricar o produto- Atividade FIM.

2- JOINT VENTURE- Fusões entre empresas. De um modo geral não se trata de uma aquisição. Mas sim a soma de dois capitais. 
Isso pode ocorrer devido:
  1. A necessidade de duas empresas do mesmo ramo em um determinado país, frente a livre concorrência, ou seja, com entrada de empresas estrangeiras maiores não quebrarem.
  2. b) Junção entre empresas estatais e da livre iniciativa. Isso ocorreu muito na China e extinta URSS. Não se trata de parceria pública privada. Parceria público-privada é o contrato pelo qual o parceiro privado assume o compromisso de disponibilizar à administração pública ou à comunidade uma certa utilidade mensurável mediante a operação e manutenção de uma obra por ele previamente projetada, financiada e construída.
3. FRAGMENTAÇÃO – Ocorre quanto uma empresa forte divide sua fábrica em setores e envia cada um desses setores para um país diferente. Ficando no país de origem apenas o cérebro desta empresa (sede). O produto final terá a participação de vários países e passa a ser um produto global. Finalidade redução de custos em função das vantagens fiscais e empregatícias oferecidas por estes países.


4. OBSOLESCÊNCIA PROGRAMADA- Não se trata precisamente da duração de um determinado produto, já que a indústria é de bens de consumo duráveis. No caso é tornar este produto obsoleto, defasado, velho, arcaico em pouco tempo. Isso obriga o consumidor a adquirir o modelo mais sofisticado, com mais funções. Mesmo que o seu ainda esteja inteiro e funcionando.

SISTEMAS ECONÔMICOS- ESTADOS

1-LIBERALISMO- Adam Smith – Do séc. XVIII até 1.929 sec. XX
Mercado livre de intervenções estatais.
PROBLEMA- o liberalismo não considera o capitalismo como um sistema econômico. Se este "monstro" ficar livre, ou seja, se não for vigiado pelo Estado ela gera desigualdades e concentração de rendas. Outro problema é que o sistema esta longe da perfeição pois esta sujeito a CRISES. Esgotamento da Politica econômica liberal 1.929.
2-KEYNESIANISMO- Propõe a intervenção do Estado na economia com o objetivo de garantir o pleno emprego. Mas, além de atuar no Bem estar social, durante o keynesianismo o Estado passa a ser também empresário (estatais)
1.930- Roosevelt- New Deal- Estado assume o papel de planejador da economia (gerando empregos em obras públicas, seguro desemprego, controlador de preço e produção)- aumento de gastos.
3-NEOLIBERALISMO- 70 – 80
A volta das teorias liberais
Consenso de Washington (80) – Livre Mercado e Privatizações
Na verdade essa teoria surgiu para confrontas o keynesianismo e o Estado de Bem Estar Social. Os neoliberais acreditavam que com o keynesianismo o sistema capitalista estava ameaçado pelas reinvindicações trabalhistas e pelos gastos do Estado.
4- A TERCEIRA VIA – TONY BLAIR
Caminho Alternativo- Politica Social Democrata, cujo objetivo é promover JUSTIÇA SOCIAL.
A 3ª via perdeu força por não conseguir conviver com o neoliberalismo que dominou a economia mundial.


DESEMPREGO EM MASSA.
Geralmente está associado a uma crise.
1-  DESEMPREGO CONJUNTURAL- Provocado pela instabilidade da Conjuntura econômica: Global, Nacional ou local.

a) CRISE DA SUPERPRODUÇAÕ 1.929
DESEMPREGO EM GRANDE ESCALA QUE SE ESTENDEU DOS EUA PARA O MUNDO.
Fim do liberalismo início do Keynesianismo
b) CRISE DO PETROLEO- DÉCADA DE 1.970
Crise econômica- sucateamento da indústria – Fim do keynesianismo inicio do neoliberalismo
c) CRISE DA SUB PRIME – 2.008 EUA – mais uma vez desemprego conjuntural.
Obs: Nos três casos a crise econômica promoveu um desemprego conjuntural no mundo inteiro.

A Crise do subprime é uma crise financeira desencadeada em 24 de julho de 2007, a partir da queda do índice Dow Jones motivada pela concessão de empréstimos hipotecários de alto risco (em inglês: subprime loan ou subprime mortgage), prática que arrastou vários bancos para uma situação de insolvência.

2- DESEMPREGO ESTRUTURAL
Provocado pela mudança na estrutura produtiva através da tecnologia. Isso ocorre tanto no campo quanto na cidade. Novas máquinas, equipamentos, sementes, ferramentas, aumentam a produtividade sem necessitar aumentar o espaço físico cultivado ou o numero de trabalhadores. Pelo contrário vários postos de trabalho são fechados e o numero de trabalhadores ligados à produção diminuem.

2ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL- Fim da contratação da mão de obra infantil, claro que para suprir esta falta novas máquinas foram criadas.
3ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL- Automação da linha de produção: Sai Charles Chaplin entra o robô. 
CONSEQUÊNCIAS-
Aumento do numero de desempregados.
Diminuição do consumo.
Diminuição da arrecadação por parte do Estado- redução de investimentos em saúde, educação etc..
Aumento do Subemprego- Economia Informal ( não recolhe impostos diretos, não emite Nota Fiscal, não tem registro em carteira),mas, usufrui dos serviços públicos.

AUTÔNOMO- Não tem vinculo com nenhuma empresa. Trata-se de um profissional liberal. Oferece seus serviços no mercado, emite nota fiscal, recolhe imposto de renda (clínica Médica).
PESSOAS JURIDICAS- Microempresário
Formalizam contratos
Possuem cadastros de pessoa jurídica
Tem empregados
Pagam impostos 
Exemplo: padaria

FÓRUNS CRIADOS PARA JULGAR CRIMES ECONÔMICOS (global)

EXEMPLO DUMPING- cobrar pelo produto que esta vendendo um preço abaixo do custo.
FINALIDADE- quebrar a concorrência
Estados agem desta forma subsidiando alguns setores produtivos para exportar mais e mais barato.
Até 1.995 quem regulava o Mercado era o GATT- Acordo Geral de Taxas Alfandegárias; porém só regulava e sua atuação limitada.
Em 1.995 no auge do Neoliberalismo surgiu a O.M.C que se transformou em um fórum onde julga práticas ilícitas.
Um dos casos mais polêmicos é a Rodada de Doha (2.001) até hoje não resolvida.
Nesta reunião os países emergentes pediam na O.M.C o fim dos subsídios agrícolas pagos pelos EUA e Europa a seus agricultores o que tornava seus produtos agrícolas mais baratos que os produtos exportados pelos emergentes (concorrência desleal).

Este texto foi escrito com a finalidade de dirimir dúvidas que possam ter ocorrido com as definições dos conceitos acima. Cada conceito funciona como uma ferramenta que surgiu em determinada época segundo a necessidade que aflorava. Portanto os conceitos não têm validade eterna e mudam conforme a necessidade e o tempo. NÃO SE ESQUEÇAM DE QUE CIÊNCIAS HUMANAS NÃO SÃO EXATAS.
                               


                                           AUTOR- MARCOS ANTONIO MORAES
                                           PROFESSOR MARQUINHOS.
                                           Imagens retiradas da Internet.